quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Divulgação | "Os Ditadores", Richard Overy

Género: História 
Tradução: Victor Antunes 
Formato: 15 x 23,5 cm 
N.o de páginas: 928 + 32 (extratextos) | 
Data de lançamento: 25 de novembro de 2016 
PVP: € 29,90
ISBN: 978-972-25-3295-2

Os Ditadores, que já se tornou numa referência e que, segundo o The Guardian, é «um livro que precisava de ser escrito», é uma arrepiante análise do poder corrompido pela vaidade de homens ambiciosos e sem escrúpulos: Estaline e Hitler.
Richard Overy descreve as relações que ambos os ditadores, que presidiram aos regimes mais destrutivos e letais de sempre, estabeleceram com o seu povo e esclarece as construções ideológicas dos dois regimes, procurando responder às seguintes questões: 
Como foram possíveis essas ditaduras?
Como funcionaram?
Que laço unia de modo tão poderoso o ditador e o seu povo?
Este é um livro ricamente ilustrado com imagens da época (32 páginas), tendo sido vencedor do Wolfson History Prize e do Hessell-Tiltman Prize.
Richard Overy é um historiador com uma extensa obra publicada sobre a Segunda Guerra Mundial e o Terceiro Reich e foi distinguido em 2001 com o Prémio Samuel Eliot Morison pela Royal Historical Society.

Autor: 
Richard Overy é um historiador britânico com extensa obra publicada sobre a Segunda Guerra Mundial e o Terceiro Reich. Membro da Royal Historical Society, da Academia Britânica e do King’s College, foi distinguido em 2001 com o Prémio Samuel Eliot Morison pela Royal Historical Society. Em 2007, enquanto editor da coleção Complete History of the World, coube-lhe escolher as 50 datas mais marcantes da história da Humanidade.

Mais informação

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Típico de um leitor #2

Planear releituras

Felizmente, a estante cá de casa está bem composta, e tenho a sorte de ir conseguindo acumular livrinhos novos. Acontece que dou por mim a folhear títulos já lidos, e estou a planear fazer algumas releituras. 
É que, depois de alguns anos neste meio da blogosfera e de ter notado algumas mudanças nos meus gostos, dou por mim com vontade de voltar a estes livros, até porque, no fundo, duvido de que os encare da mesma forma como os li pela primeira vez:

Lembro-me de que é acerca de dois magos ingleses que se tornam rivais durante as invasões napoleónicas. Pelo meio há um elfo com ambinções um tanto perigosas, e menções a um Rei Corvo que adorava voltar a descobrir quem é. Uma das passagens até é localizada no nosso Portugal da época!
Lembro-me de que os primeiros capítulos eram aborrecidos, mas de que a meio me sentia deslumbrada com o estilo de fantasia que era aplicado
Gostava mesmo de voltar a lê-lo.

Li-o demasiado nova. Percebi o impacto que teve, mas a única passagem que recordo nem sequer é a mais premente da narrativa. Além disso é uma obra tão importante que me sinto mal quando comento que sim, que o li - sem me lembrar de grande coisa.

- "Cem Anos de Solidão", Gabriel García Márquez
 G.G.M. é grande e tenho saudades de ler algo dele. Ora, porque não repescar "aquele"? Ainda para mais, vai ser interessante perceber se me vai encantar da mesma forma - ou melhor. 

Este ano tentei ler "O Calafrio", de Henry James, e senti um dèja vu. É uma história gótica, com uma propriedade imensa, um tio, dois sobrinhos, Flora e Miles, e uma perceptora. E de repente, fez-se luz! Há uns anos, tinha lido o de John Harding, que não só tem os mesmo elementos e o ambiente, como duas crianças chamadas Florence e Giles. Uma homenagem, apenas? Será o outro lado da história, contada pela menina, enquanto que a original o foi pela voz da perceptora? Não sei, o certo é que é, a seu modo, um tributo.
Quero lê-lo outra vez e, provavelmente, depois de "O Calafrio", para uma boa comparação.
 
"Na mira"
Se não fosse pedir muito, porque a TBR é grande e cheia de bons títulos, ainda gostava de reler a saga "As Brumas de Avalon", de Marion Zimmer Bradley. Acompanharam-me na adolescência e gostava de "revisitar" uma história que tanto me tocou.

E vocês, também gostariam de voltar a ler algum livro? Costumam apostar em releituras ou acham-nas desnecessárias?

Boas leituras!

P.S.: Entretanto, alguém me explique porque é que o título da versão portuguesa do livro de John Harding ("Florence and Giles") é a tradução do título da sequela ("The Girl Who Couldn't Read"), que nem sequer foi publicada por cá... Mistério...

Divulgação | Novidades Quetzal já disponíveis

Género: Literatura / Ensaio 
Tradução: Telma Costa
Formato: 15 x 23,5 cm 
N.o de páginas: 216
Data de lançamento: 18 de novembro de 2016 
PVP: € 16,60 
ISBN: 978-989-722-331-0

Sinopse: 
«A Descrição da Infelicidade traz em si a possibilidade de a superar», escreve W.G. Sebald no prefácio deste livro. Acrescenta ainda que a reflexão sobre uma infelicidade consumada é também uma forma de resistência. 
Título inédito em Portugal, A Descrição da Infelicidade é uma apaixonante análise do ambiente psicológico que antecede e condiciona a escrita austríaca protagonizada por grandes nomes, como Stifter, Schnitzler, Kafka, Hofmannsthal, Canetti, Bernhard e Handke, entre outros; e da mediação da literatura – a ponte que a palavra impressa estabelece entre a infelicidade e o consolo.

«A melancolia, a reflexão sobre a infelicidade consumada, nada tem a ver com o vulgar desejo de morte. É uma forma de resistência. E, sobretudo ao nível da arte, a sua função, está longe de ser meramente reativa ou reacionária. Quando ela, de olhar fixo, pensa uma vez mais no que nos arrastou até aqui, bem se vê que o impulso que leva ao desespero e o que leva ao conhecimento são agentes idênticos. A descrição da infelicidade traz em si a possibilidade de a superar.»

«Tão estranha quão convicente, assim é a força invulgar da linguagem de Sebald, a sua seriedade festiva, a sua maleabilidade, a sua precisão». Susana Sontag

«W.G. Sebald é dotado de uma capacidade percetiva alucinantemente apurada». Der Speigel

Autor: 
W.G. Sebald nasceu em 1944, em Wertach, na Alemanha. Viveu desde 1970 em Norwich, no Reino Unido, onde foi docente de Literatura Alemã. Prosador e ensaísta, é autor de de livros que marcaram a literatura contemporânea, tendo sido galardoado com os prémios literários Mörike, Heinrich-Böll, Heinrich-Heine e Joseph-Breitbach. W.G. Sebald morreu em dezembro de 2001.

 Género: Literatura / Antologia 
Formato: 15 x 23,5 cm 
N.o de páginas: 480 
Data de lançamento: 25 de novembro de 2016 
PVP: € 17,70 
ISBN: 978-989-722-340-2

Este clássico da literatura de Natal, que se encontrava esgotado há já alguns anos, consiste em mais de quarenta histórias natalícias de grandes escritores portugueses dos séculos XIX e XX, nomeadamente Alves Redol, Aquilino Ribeiro, Eça de Queirós, Ferreira de Castro, Fialho de Almeida, Gaspar Simões, Isabel da Nóbrega, José Eduardo Agualusa, Jorge de Sena, José Régio, José Saramago, Maria Ondina Braga, Miguel Torga, Natália Nunes, Ramalho Ortigão, Raul Brandão, Sophia de Mello Breyner e Vitorino Nemésio, entre muitos outros.

«E sobre o mundo do sono, sobre a sombra intrincada dos sonhos onde os homens se perdiam tacteando, como num labirinto espesso, húmido e movediço, a estrela acendia, jovem, trémula e deslumbrada, a sua alegria. E Melchior deixou o seu palácio nessa noite.»

Para muitos, este será o presente de Natal ideal. Trata-se de uma coletânea que permite atravessar esta época com um verdadeiro espírito festivo bem como dar a conhecer as diferentes celebrações praticadas um pouco por todo o país.

Autor:
Vasco Graça Moura (Foz do Douro, 1942-2014), foi poeta, ficcionista, ensaísta, cronista e tradutor, além de ter desempenhado importantes cargos de relevância pública na vida portuguesa dos últimos cinquenta anos. Entre as inúmeras distinções que lhe foram atribuídas, contam-se, nomeadamente, o Prémio Pessoa, o Prémio Vergílio Ferreira, o Grande Prémio de Romance e Novela da APE, o Prémio de Poesia do PEN Clube, o Prémio Eça de Queiroz, o Prémio de Tradução Paulo Quintela, o Prémio Europa David Mourão-Ferreira, o Grande Prémio de Poesia da APE, o Prémio Max Jacob de Poesia, o Prémio de Tradução do Ministério da Cultura em Itália (pelas suas notáveis traduções de Dante e Petrarca), ou o Prémio Morgado de Mateus.
A sua obra poética está reunida em dois volumes publicados pela Quetzal (Poesia Reunida, 1 e 2, 2012), e entre os seus romances contam-se Naufrágio de Sepúlveda, Partida de Sofonisba às Seis e Doze da Manhã, Quatro Últimas Canções, ou O Enigma de Zulmira. Entre muitos autores, traduziu Shakespeare, Racine, Dante, Corneille, Molière, Rostand, Rilke – mas também autores contemporâneos como Seamus Heaney, Hans Magnus Enzensberger, Gottfried Benn ou Jaime Sabines.

Mais informação

terça-feira, 22 de novembro de 2016

"O Mago - As Trevas de Sethanon", Raymond E. Feist

E eis que li o desfecho da Saga Riftwar! 
Mais uma vez, sinto-me dividida. Por um lado, este é o livro final. Ou seja, o livro onde tudo faz sentido e onde me apercebo que vou ter saudades daqueles cavalheiros. Ainda assim, tem falhas, e é capaz de ter mais do que os livros anteriores, mas passo a explicar.

Neste volume, Arutha deseja acabar de vez com a ameaça de Murmandamus e parte numa quest para norte, em direcção ao exército que ameaça o Reino. Entretanto, Pug e Tomas, com a ajuda do dragão fêmea Ryath, vão atravessar o universo para resgatar Macros, o Negro, alguém essencial para perceber o verdadeiro perigo que o mundo de Midkemia enfrenta.
Assim, acompanhamos a missão dos dois grupos, e se por um lado temos uma parte com mais acção, por um outro temos uma mais mística, onde até os mitos do "nosso" mundo parecem ter sido resgatados.
Gostei de perceber como neste caso até Feist parece aproveitar algo mais típico da ficção científica, já que se prende por momentos em portais entre mundos e questões espacio-temporais. Mais uma vez, deu um toque de originalidade a uma saga que, de outra forma, se poderia parecer com mais uma história "tolkeniana". Neste livro, até ficamos a conhecer melhor os Valheru, uma raça bem poderosa, e o porquê de o espírito de Ashen-Shugar se ter anexado ao de Tomas - outro pormenor que apreciei, deixem-me que vos diga, porque não só o rapaz tinha as recordações do valheru, como este tinha noção da presença do espírito dele ainda no passado. 
Como referi acima, a quest de Arutha está repleta de escaramuças e batalhas e mostra como o autor sabe escrever sobre estratégia! Se por um lado algumas fugas me cansaram, por outro também conseguiu captar a minha atenção.
No todo, não foi um livro que lesse de rompante. Só na parte final do livro, a ambição de Murmandamus faz sentido, tudo se conjuga e dei por mim desejosa de chegar ao final.
É um livro com algumas falhas a nível linguístico, tenho de reconhecer, - não me basta ler que algo é "estranho", quero perceber como "é" para o imaginar - e preferia que o autor tivesse escolhido pontos de vista específicos em certas alturas para me apegar melhor a certas personagens. É triste quando a morte de uma personagem nos passa ao lado, não é?
De qualquer forma, o livro fechou esta saga, e carregou na minha nostalgia. Foi engraçado perceber que "conheci" Pug e Tomas enquanto uns rapazitos sonhadores e afinal são essenciais para Midkemia. Da mesma forma, vou sentir falta da dinâmica entre Jimmy, Arutha, Martin, Laurie e Amos Trask... Era giro ler sobre as aventuras do grupo.

No geral, não achei a saga perfeita, mas fornece um bom entretenimento e prima por dar alguma originalidade aos ditos "clichés" da Fantasia - e não me posso esquecer que já tem alguma idade. Na época em que foi escrita, decerto estaria virada para um público juvenil masculino.  
Além disso, a magia é uma aspecto essencial e ler isto há uns anos atrás teria sido perfeito. Agora, dei por mim a prestar mais importância à forma como as culturas eram desenvolvidas, e tal merece um aplauso, já que o autor presta atenção aos detalhes e torna-as ricas. Sabe apresentar diferenças entre sociedades, tanto a nível de cerimónias, como de arquitectura, ou de estilos de vida, e até o Reino das Ilhas, que tem uma sociedade de influência feudal, foi bem caracterizado sem parecer "estafado", o que é do meu agrado.

Sinopse
Já leram a saga? O que acharam?
Boas leituras!

Leituras relacionadas:

domingo, 20 de novembro de 2016

Divulgação | "O Islão Político: Ontem e Hoje", John M. Owen

Género: Ensaios e Documentos / Política 
Tradução: José Roberto/João Quina Edições 
Formato: 15 x 23,5 cm 
N.o de páginas: 344 
Data de lançamento: 18 de novembro de 2016 
PVP: € 18,80 
ISBN: 978-972-25-3279-2

Sinopse: 
O Islão político tem sido muitas vezes comparado a movimentos ideológicos do passado, como o fascismo ou a teocracia cristã. Será que essas analogias são válidas? Como pode o mundo ocidental de hoje responder aos desafios do Islão político?
Assente numa abordagem original para responder a esta questão, John Owen compara a luta entre o islamismo e o secularismo a outros choques ideológicos ocorridos na história do Ocidente. Ao examinar os últimos conflitos – como foram apoiados por redes subterrâneas, como fomentaram o radicalismo e a revolta e como desencadearam intervenções estrangeiras e conflitos internacionais – o autor apresenta-nos uma perspetiva inovadora sobre o Islão político.
Owen inclui na sua análise as origens e dinâmicas das lutas do século XX entre comunismo, fascismo e democracia liberal, sem descurar os conflitos religiosos dos séculos XVI e XVII e os antagonismos do final do século XVIII e XIX entre monarquismo e republicanismo. A síntese é um conjunto de ensinamentos que podemos extrair dos sucessos e erros destes conflitos do passado e aplicar no presente debate em torno do Médio Oriente, ajudando-nos a compreender as revoltas atuais no mundo muçulmano, de olhos postos na história da civilização ocidental e nas questões inquietantes associadas à organização das nossas sociedades.

Autor: 
John M. Owen IV é especialista em Ciência Política e Relações Internacionais. Doutorado em Harvard, é atualmente professor da Universidade da Virgínia (EUA) e colaborador do projeto pela Liberdade Religiosa do Centro Berkley de Estudos sobre a Religião, a Paz e os Assuntos Internacionais, da Universidade de Georgetown.
As suas investigações focam-se na forma como as semelhanças e as diferenças ideológicas e culturais transnacionais afetam e influenciam as relações internacionais, na evolução do islamismo e do capitalismo autoritários e nos ciclos de vida dos vários regimes políticos e respetiva expansão geográfica.

Mais informação

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Divulgação | Novidades Guerra e Paz disponíveis a 23 de Novembro



Diferentes madeiras, diferentes papéis, fotografias e texto, na primeira e única edição CIANOGÉNICA de Fernando Pessoa. Um dos mais belos poemas da História da Humanidade, Tabacaria, de Álvaro de Campos, em cinco línguas, seguido de 37 textos íntimos de Fernando Pessoa.
Uma edição única num formato de grande dimensão, 24 cm de largura e 33 cm de altura. Com, e já estamos a repetir-nos, fotografias a preto e branco de Pedro Norton e apresentação de Manuel S. Fonseca.
Dentro de uma meia caixa de madeira de choupo impressa a laser, um livro e um álbum, pintados à mão, a azul ciano. A caixa é revestida por uma orla envolvente noutra madeira, maple, e foi objecto de impressão directa UV e a Laser 50w. Lombada do livro de 176 páginas monumentais com costura à vista e um grafismo original de Ilídio Vasco. A acompanhar, numa pasta-álbum, em papel Gardapat Klassica, de 250 gramas, juntam-se 25 fotografias à procura, na Baixa de Lisboa, das máscaras de Pessoa. Madeira, papel, fotografia, numa edição artesanal, limitada e numerada.

Desta edição, que chega às livrarias a 23 de Novembro, fizeram-se apenas 1.500 exemplares, todos numerados. Este livro não voltará a ser reimpresso – é uma edição rara.

A sessão de lançamento, com apresentação de Henrique Monteiro e Joana Emídio Marques e a presença de Pedro Norton e Manuel S. Fonseca, decorre a 28 de Novembro, às 18h30, na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa. Fernando Pessoa ou Álvaro de Campos, mas apenas um deles, por incompatibilidade de feitios, estará presente.


Muros
José Jorge Letria
14x21
176 páginas
25,00 €
Não Ficção/História
Nas livrarias a 23 de Novembro
Guerra e Paz Editores
 
Donald Trump nunca vai ler este livro. Livros não são a sua chávena de chá. Ele é bom, esclareceu, na construção. Será que continuaria a prometer construir mais um muro, se lesse este livro? Numa altura em que se discutem políticas de proteccionismo um pouco por todo o mundo, Muros – Os muros que nos dividem, o novo livro de José Jorge Letria não podia ser mais actual. Construímos muros desde a Antiguidade: para defender o território e os bens, mas também para controlo e exclusão. Mata-se e morre-se em nome dos muros. Depois da queda do muro de Berlim, erguem-se novas barreiras de divisão territorial na Europa, sendo esse, como já dissemos, um dos estandartes das promessas do recém-eleito presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que pretende construir um muro na fronteira com o México.
Muros – Os muros que nos dividem é um livro sobre os muros clássicos, como a Muralha da China ou as de Adriano e de Antonino. Um livro sobre os muros que ainda hoje nos envergonham e dividem: entre o México e os EUA, entre as duas Coreias, na Cisjordânia, em Chipre. Um livro sobre o Muro de Berlim, que assombrou o nosso passado, mas também sobre os muros que se constroem hoje para impedir a migração dos refugiados que chegam à Europa. Este é um livro que fala dos muros, das suas histórias, das suas características físicas e da forma como, separando e dividindo, deixaram a sua marca na história mundial. Trata-se de um livro cartonado, com as três faces do miolo pintadas manualmente a negro.
A sessão de lançamento decorre a 24 de Novembro, às 18h30, na Bertrand Picoas Plaza, em Lisboa. Com apresentação do jornalista Nicolau Santos.



Livro Perigoso para Rapazes
Conn Iggulden e Hal Iggulden
16,5x24
288 páginas
16,00 €
Não Ficção/Prático
Nas livrarias a 23 de Novembro
Guerra e Paz Editores | Clube do Livro SIC
 
Um grande sucesso mundial. Um livro para concorrer com a net, com os smartphones e com os ipads. Um livro para levar multidões de rapazes para a rua, para o campo, para o ar livre.

Como é que se faz tinta secreta?  Como se constrói um carrinho de rolamentos? Quais os nomes dos principais insectos e aranhas? Perguntas infinitas que qualquer criança gosta de ver respondida, sem a impaciência habitual dos adultos. O Livro Perigoso para Rapazes, de Conn Iggulden e Hal Iggulden, é um verdadeiro tesouro para crianças curiosas e activas, que gostam de se divertir ao mesmo tempo que aprendem ensinamentos que não mais voltarão a esquecer. Afinal, se há tempo que dura para sempre é o tempo da infância. Como se faz um arco e flecha? Quais a regras do póquer e do xadrez? Mais importante ainda: como lidar com as raparigas? O Livro Perigoso para Rapazes tem todas as respostas. E convém dar particular atenção ao conselho dado para o relacionamento com o sexo oposto: «ataques de gases não vão tornar-te mais querido aos olhos de uma rapariga»!
Da nossa parte, podemos garantir que nenhuma rapariga sairá defraudada se der azo ao impulso de mandar os maravilhosos autores bugiar: sim!, este livro também é indicado para raparigas. Quanto mais saídas da casca, melhor. Saber jogar xadrez ou distinguir berlindes é universal. E este é o livro perfeito para todas as crianças, dos oito aos oitenta, que querem redescobrir o prazer da leitura e da brincadeira ao ar livre. O livro que põe netos, pais e filhos a brincarem juntos.

Mais informação































Divulgação | Novidades de Novembro da Editorial Bizâncio


Baby Blues 34 - Ca'Nojo! 
Autores: Rick Kirkman e Jerry Scott 
Código de Barras: 9789725305881 
Nº de páginas: 168 
PVP: 12,61 (com IVA)                                          
Banda Desenhada
Os MacPherson estão de volta!

Estão de volta as tropelias de Zoe, de Hammie e da pequena Wren que aprende com os irmãos mais velhos … onde é que já vimos este filme?

Wanda e Darryl dão o seu melhor para levar o barco a bom porto!




Sopa, sim!
O Prato Principal do Nosso Património Alimentar 
Autora: Maria Inês Antunes 
Código de Barras: 9789725305874 
Nº de páginas: 192 
PVP: 17,50 (com IVA)                                           
Gastronomia / Culinária

Descubra a importância deste prato tão português e a forma de o poder transformar numa refeição saciante e saudável. De sopas quentes a sopas frias e granizados de Verão, sem batata, a nutricionista Maria Inês Antunes utiliza uma grande variedade de vegetais sazonais e superalimentos para elaborar receitas diferentes para cada estação.

Nestas receitas vai encontrar a coexistência entre tradição e modernidade e uma aposta na sazonalidade e no valor intrínseco alimentar e medicinal.

Melhorar o gosto é também uma questão de saúde.



Força Bruta - A Energia Antes das Máquinas
(edição bilingue)
 
Autores: Paulo Caetano e Margarida Caetano
Código de Barras: 9789725305850 
Nº de páginas: 160
PVP: 27,50 (com IVA)         
Biodiversidade

Nos primórdios, foi a força. Gente laboriosa que irradiava energia em cada gesto. Comunidades que transformavam trabalho em potência. Depois, a Humanidade deixou de estar só. Domesticaram-se os animais e a sua força bruta foi aproveitada. Esta parceria durou milénios. Hoje em dia, tentam salvar-se os saberes do passado e criar alternativas de futuro.
Neste livro coexistem as duas realidades.



Mais informação

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

TAG | NY-Times By the Book

Tenho visto esta Tag algumas vezes, como no Say Hello to My Books ou no O Prazer das Coisas, mas hoje senti-me inspirada escrever as respostas. Foi criada neste canal, e tem perguntas tão diversas que me parece um bom desafio...

1 - Que livro tens na tua mesinha de cabeceira neste momento?
Neste momento estou a ler "O Mago - As Trevas de Sethanon", de Raymond E. Feist. É o último volume da saga e estou curiosa por ler o desfecho. Se por um lado me entretém, por outro "sabe a pouco".

2 - Qual o último livro verdadeiramente bom que leste?
Este ano tenho lido imensos livros "Bons", pelo que se torna difícil escolher. "Os Hóspedes", de Sarah Waters foi o ultimo livro que classifiquei com cinco estrelas - e a razão de as ultimas leituras de ficção me parecerem mais ínsipidas... - e para além dele posso apontar o "1984", de George Orwell, que é uma verdadeiro "aviso" sobre o Poder.

3 - Se pudesses conhecer qualquer escritor - vivo ou falecido - quem quererias conhecer? O que gostarias de lhe perguntar?
Gostava de conhecer a Toni Morrison. Aposto que ia ficar sem palavras perante a senhora - ei, é Nobel -, mas caso conseguisse, gostava de lhe fazer imensas perguntas, desde os temas dos livros ao estilo de escrita. E gostava de saber de onde vieram algumas ideias presentes no "Beloved", se não fosse pedir muito...
 
4 - Que livro ficaríamos surpreendidos de ver na tua estante?
Neste momento iam estranhar ver o "Segredos Para Um Final Feliz", de Lucy Dillon. Como sabem, as histórias puramente românticas não são o meu forte, mas é sobre uma livraria e duas amigas. De vez em quando, sabe-me bem ler algo diferente do habitual e acho que este pode ser o ideal - e quem é que resiste àquele olhar na capa?

O "inesperado" e a leitura do momento

5 - Como é que organizas a tua biblioteca pessoal?
A minha biblioteca está organizada com um sistema, no mínimo, estranho. Gosto de dividir os livros por editoras, já que as estantes ficam mais bonitas, mas junto os livros do mesmo autor. Se for possível, divido ainda os livros pelos lidos e não lidos de cada "colecção". Para mim faz sentido...

6 - Que livro sempre quiseste ler mas ainda não tiveste tempo? Que livro te traz mais vergonha de ainda não o teres lido?
Lá terei de voltar a falar do "Atlas das Nuvens", de David Mitchel. Quero tanto lê-lo e ao mesmo tempo tenho tanto receio de me desiludir que tenho adiado a leitura. 
Entretanto, descobri que "A Bibliotecária de Awschwitz", de Antonio G. Iturbe, está na estante há já uns bons anos... Porque é que ainda não o li? Gostava de saber ("Shame! Shame!")...

Os eternos TBR

7 - Que livro era suposto gostares mas acabaste desapontado? Qual foi o último livro que marcaste como DNF (Down but Not Finished)?
A última desilusão recaiu sobre "O Devorador", de Lorenza Ghinelli. Eu devia ter adorado aquele maldito livro. Devia ter receado o vilão, mas não, não aconteceu nada disso. Sinceramente, só cá para nós, senti que estava a ler um manuscrito por alinhavar do Carlos Ruiz Zafón quando o dito Homem dos Sonhos aparecia em cena...
Entretanto, como este ano me tenho portado bem, só deixei um livro a meio - ainda! - e foi "O Bom Ladrão", de Hannah Tinti. Não sei quando vou resgatá-lo da estante.

8 - Que tipo de histórias te atraem? E quais são aquelas de que te mantens afastado?
Gosto de histórias sobre choques de culturas e/ou religiões, ou de conflitos entre gerações. Ou seja, histórias sobre dois ou mais grupos antagónicos costumam ser do meu agrado.
Mantenho-me afastada de histórias sobre um romance e/ou drama pessoal, por norma. E a frase "carregado de erotismo" nas capas também me leva a fugir do livro, porque se a história tem acção, prefiro que seja centrada numa aventura ou no campo de batalha. Longe vão os tempos da Marion Zimmer Bradley, que aliava tudo sem histerismo.

9 - Se pudesses recomendar ao Presidente um livro para ele ler, qual seria?
Assim sem hesitação? De repente? O "1984". De certeza que o senhor Presidente já o leu, mas nunca é demais relembrar a mensagem.

10 - O que planeias ler a seguir?
Que boa pergunta. Por um lado quero ler "Jane Eyre", de Charlotte Bronte. Queria mesmo lê-lo ainda este ano, mas, por outro, quero ler algo passado numa corte, como "O Palácio de Inverno", de Eva Stachniak. Ainda assim tenho mais-ou-menos-emprestado o "A Paixão de Maria Madalena", de Margaret George que também me atrai. É difícil escolher. Até pediria a "a ajuda do público", mas aposto que ia dar por mim a ler algo completamente diferente...

As prováveis próximas leituras

Desafio-vos a responder à Tag. Quero conhecer as vossas respostas!
E entretanto, boas leituras!

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Divulgação | Novidades Quetzal disponíveis a 11 de Novembro

Género: Literatura / Romance 
Tradução: Sara Ludovico 
Formato: 15 x 23,5 cm 
N.o de páginas: 120 
Data de lançamento: 11 de novembro de 2016 
PVP: € 14,40  
ISBN: 978-989-722-337-2

Seda, do escritor italiano Alessandro Baricco, chega às livrarias na sexta-feira, dia 11 de novembro, pela Quetzal. Em março deste ano, a editora publicou também o romance A Jovem Noiva, do mesmo autor.
Seda é um livro com uma narrativa encantadora, de uma simplicidade e beleza efémeras, com um pequeno toque de mistério. Conta-nos a história de Hervé Joncour, um comerciante de seda que se vê obrigado a fazer uma viagem ao Japão depois de uma epidemia ter dizimado os bichos-da-seda provenientes de África. Chegado a esse país distante e desconhecido, Joncour é acolhido pelo nobre Hara Kei, que se faz sempre acompanhar pela sua concubina. Entre Joncour e essa jovem vai surgir uma história de amor – um envolvimento que é preciso manter secreto.
Para o jornal Guardian, o livro de Baricco é «muito comovente – uma história de amor e desejo tecida com extrema delicadeza». O Sunday Times diz que se trata de «uma dolorosa história de amor contada sob a forma de uma fábula clássica; uma preciosidade literária com grande poder encantatório» e o Daily Telegraph afirma ser «um drama poderoso e perspicaz sobre os desejos humanos mais profundos. Um dos romances mais espantosos e comoventes».

Seda foi adaptado ao cinema em 2007, com grande repercussão mundial, pelo realizador canadiano François Girard e com representação de Michael Pitt, Keira Knightley e Kôji Yakusho.

O autor:
Alessandro Baricco nasceu em Turim, em 1958. Os seus romances receberam inúmeros prémios e alguns foram adaptados ao cinema, como por exemplo, Seda, que agora se publica pela Quetzal e que teve repercussão em todo o mundo. Em breve, a Quetzal publicará outros títulos ainda inéditos em Portugal, entre eles, Tre volte all’alba e Mr. Gwyn.



Género: Literatura / Não-ficção
Formato: 15 x 23,5 cm
N.o de páginas: 248
Data de lançamento: 11 de novembro de 2016
PVP: € 16,60
ISBN: 978-989-722-338-9

Sinopse:
Ao longo de um livro profundamente pessoal e intimista, J. Rentes de Carvalho recorda a Europa de há cinquenta anos, quando chegou aos Países Baixos, e confronta-se com a Europa de hoje – o hedonismo absoluto, a ausência de ideais, a mansidão de um «comportamento bonzinho» diante dos seus inimigos declarados (como o islão radical), o «politicamente correcto» que amordaça o debate e corrói a vida real, a decadência da educação de hoje (que dá prioridade aos jogos de computador, às amizades e aos likes do Facebook), a existência de uma União Europeia dominada por uma burocracia não eleita, uma universidade entregue à banalidade. Um testemunho vibrante, polémico, inesperado do autor de Com os Holandeses e desse grande romance, Ernestina – um relato a que a distância de cinquenta anos não fez perder pertinência ou actualidade, enriquecido com um prólogo que debate, num tom muito pessoal (na linha de todo o livro), as grandes e fracturantes questões que fazem perigar a Europa dos nossos dias.

Autor:
J. Rentes de Carvalho nasceu em 1930, em Vila Nova de Gaia. Obrigado a abandonar o país por motivos políticos, viveu no Rio de Janeiro, em São Paulo, Nova Iorque e Paris, trabalhando para vários jornais. Em 1956 passou a viver em Amesterdão, onde se licenciou e foi docente de Literatura Portuguesa entre 1964 e 1988. Dedica-se, desde então, exclusivamente à escrita e a uma vasta colaboração em jornais portugueses, brasileiros, belgas e holandeses, além de várias revistas literárias. A sua extensa obra ficcional e cronística tem sido publicada em Portugal e na Holanda, e recebida com grande reconhecimento, quer por parte da crítica, quer por parte dos leitores em geral, tendo alguns títulos alcançado o estatuto de best-seller. J. Rentes de Carvalho vive, actualmente, entre Amesterdão e Trás-Os-Montes.
Os seus livros Com os Holandeses, Ernestina, A Amante Holandesa, Tempo Contado, La Coca, Os Lindos Braços da Júlia da Farmácia, O Rebate, Mazagran, Mentiras e Diamantes, Montedor, Portugal, A Flor e a Foice, O Meças, e Pó, Cinza e Recordações estão actualmente disponíveis no catálogo da Quetzal, que continuará a publicar o conjunto das suas obras. J. Rentes de Carvalho recebeu, em 2012, o Grande Prémio de Literatura Biográfica APE com o livro Tempo Contado e, em 2013, o Grande Prémio de Crónica APE com o livro Mazagran.

Mais informação

Divulgação | Novidades Pergaminho disponíveis a 11 de Novembro

Género: Espiritualidade / Autoajuda
Tradutor: Marta Dias 
Formato: 15 x 23,5 cm
N.o de páginas: 128
Data de lançamento: 11 de novembro de 2016 
ISBN: 978-989-687-344-8

«Mesmo que nunca tenha meditado, pode começar, no meio de crises e doenças, a estabilizar-se, a curar-se e a permitir que o seu espírito se tranquilize. O silêncio que encontrará em si próprio é o grande curador. Comece – não há melhor momento do que agora!», recomenda Kerstin Leppert, autora do livro Mindfulness em 15 minutos.
Kerstin Leppert é mestre de ioga e autora de diversos livros sobre os benefícios terapêuticos desta prática, e com este livro apresenta um guia prático de meditação para os problemas do dia-a-dia. São várias as meditações propostas e adequadas às mais diversas situações:
- Meditações para problemas e doenças físicas, como por exemplo, exaustão, tensão alta e dores, entre outros;
- Meditações para problemas psíquicos, como por exemplo, solidão e inquietude, dependência de drogas e de álcool, entre outros;
- Meditações para crises profissionais, como por exemplo, fadiga mental, falta de espírito de equipa, entre outros;
- Meditações para problemas nos relacionamentos, como por exemplo, raiva e zanga interior, afastamento, coração partido, entre outros;
- Meditações para crises existenciais, como por exemplo, desespero absoluto, entre outros.
Um guia ilustrado que permitirá aos leitores realizar pequenas meditações a fim de estabilizar o seu espírito.

Sinopse: 
Apesar de a meditação, o ioga e o mindfulness estarem bastante em voga, há ainda muitas conceções erradas acerca destas práticas. A maioria delas podem ser resumidas numa só frase: meditar faz bem, mas não é muito difícil?
Nada podia estar mais longe da verdade. Para meditar, não precisa de um dojo, um estúdio de ioga ou de ler centenas de páginas sobre a arte do mindfulness. Bastam-lhe duas coisas que estão sempre ao seu alcance: a respiração e a atenção. Para atingir um estado de mindfulness, começar a meditar e libertar-se de preocupações e ansiedades, não é preciso mesmo mais nada.
Este livro apresenta variadíssimos exercícios práticos de meditação, com base no kundalini e no hatha ioga, explicados passo a passo, que podem ser executados em 15 minutos e com efeitos comprovados para solucionar os mais diversos problemas do quotidiano, desde alergias e problemas de tensão a stresse, fobias, desmotivação profissional ou conflitos emocionais.


Género: Psicologia / Autoajuda
Tradutor: Marta Elias 
Formato: 15 x 23,5 cm
N.o de páginas: 376
Data de lançamento: 11 de novembro de 2016 
ISBN: 978-989-687-382-0

É possível aprender a lidar com a preocupação de forma a que esta não controle a nossa vida e não nos deixe tensos ou ansiosos. Como Viver Sem Ansiedade, do Dr. Lee Kannis-Daymand e da Dra Janet D. Carter, ajuda a desenvolver a capacidade de controlo sobre a preocupação e a ansiedade de diferentes modos, fazendo com que elas tenham menos impacto na pessoa que a vive. Este livro tem por base abordagens cognitivo-comportamentais contemporâneas e tradicionais comprovadas, que se mostraram muito eficazes no tratamento dos problemas de ansiedade e preocupação.
Como Viver Sem Ansiedade apresenta o método passo a passo para ultrapassar a ansiedade e a preocupação, uma abordagem assente em cinco etapas, baseada nas técnicas da terapia cognitivo-comportamental:

1. Apoio;

2. Ataque;

3. Evasão;

4. Prática;

5. Progresso.

A maior parte dos capítulos tem fichas de exercícios, concebidas para ajudar a praticar o uso das técnicas que são apresentadas neste livro.

Autores: 
O Dr. Lee Kannis-Dymand é psicólogo clínico, pós-graduado em Terapia Cognitiva e com uma prática especializada no tratamento da ansiedade e do trauma. Leciona Psicologia Clínica na Universidade Sunshine Coast, na Austrália.
A Dra Janet D. Carter leciona Psicoterapia Clínica na Universidade de Canterbury, na Nova Zelândia.

Mais informação