sexta-feira, 29 de maio de 2015

É que não concordo nada com aquilo


 

NAO porque não concordo com aquilo. Porque acho uma deturbação da língua escrita, uma insanidade.
NAO porque não consigo escrever assim. Para o trabalho lá faço um esforço: deixo o corrector automático do programa “Word” fazer o trabalho dele. Deixo-o ser ainda “corrector” e não corretor, que nem consigo pronunciar a palavra como deve ser quando a leio.
Porque NÃO, não quero cortar letras das palavras. Porque é que os secretários deste país deixaram de escrever actas e passaram a ordenar ao leitor para atar os sapatos? “Ata”, fica ali escrito no cabeçalho. “ATA”, leio. “Ata”, mas ata o quê?
Confesso, obrigo-me até a escrever como aprendi a fazê-lo, porque tirar o “c” do “objecto” e da “correcção” e da “acção” é um acto de preguiça.
NAO porque já me obriguei a procurar um substituto para a palavra espectador, quando ainda estava na dúvida da grafia desta palavra. Porque me recuso a escrever um dia: “a sala encheu com os 400 espetadores originários do Egito que aplaudiram o documentário sobre a jiboia”. Porque um espetador é um objecto que espeta, como é óbvio, e não um objeto, que soa a dejecto. Isto é, dejeto. O que é um dejeto? Um “D” de jeito?
NAO porque eu pronuncio Egipto, e não “Êgitu”, e acho que alteraram regras a meio do jogo. Porque uma jiboia" não existe. O que raio é uma “jiboia”? Um boi feminino?
Que preguicite foi essa que atingiu a malta, que não só retira letras como tem o desplante de retirar acentos? Os gatos perdem o pêlo e agora terem pelo ou seguirmos pelo corredor vai dar ao mesmo. Depois, para piorar, já ninguém sabe se o baile pára ou se vamos para o baile. Experimentem vocês escrever: “Para o baile, diz o Duque, e a música para”. Ou então: “Para o carro agora! Para o carro, já! - gritou o Comissário”. Bem que os agentes da lei vão querer mandar parar os carros nos policiais que ganham as mesmas. Acho que até as personagens vão ficar confusas: “Então, mas é para mandar parar o carro ou para os mandar entrar no carro?”.
Devíamos parar com isto, mas vamos é todos de vez para o estado de preguicite aguda, é o que é. É que depois a nova grafia nem dá para escrever cartazes decentes. Imaginem os cartazes anti-AO com as palavras de ordem: “Para a Preguiça Geral! Já!”
 
Estão a ver? NÃO gosto nada. Uma pessoa até se podia habituar, mas é revoltante, porque parece que nos querem estupidificar. Ainda mais.
 

6 comentários:

  1. É revoltante.
    Um NÃO bem grande, é a vontade.

    ResponderEliminar
  2. Ai Su, adorei este post! Não pelo tema propriamente dito - eu também NAO gosto nada disto - mas porque adoro os teus textos de opinião. Bem te digo que devias escrever mais disto.

    Dizem que a ideia é uniformizar a língua portuguesa pelo mundo. Mas se a língua portuguesa é originária de Portugal e se lá fora é que se fala de forma diferente, não faria muito mais sentido "ensinar" os outros a escrever português correctamente? Vamos mudar o original para que os outros continuem a cometer os mesmos erros gramaticais? Enfim, vê-se mesmo que estamos em Portugal.

    Eu recuso-me a escrever assim. No trabalho também tinha que me sujeitar, claro. Mas no blogue escrevo sempre em bom português.

    Vou partilhar este post no facebook do Delícias!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, SPi :D tens toda a razão. Que lógica é que tem? E se é para aproximar a língua escrita da falada porque tiraram acentos? Já agora modifiquem os nomes, também, não achas, "Sfia"? Aqui a "Szana" detesta isto. Deviam ter feiro um referendo, no mínimo.
      Pois, tem de ser.
      Enfim. É triste, triste.

      Eliminar
  3. http://www.rtp.pt/play/p396/e197970/especial

    ResponderEliminar
  4. https://referendoao90.wordpress.com/

    ResponderEliminar